A maçã ‘Fuji’ da região de São Joaquim tem potencial para uma indicação geográfica?

São Joaquim – O título acima é o mesmo do artigo publicado na Revista Agropecuária Catarinense, da Epagri. Assinado pelos pesquisadores Mariuccia Schlichting De Martin, José Luiz Petri e Alberto Fontanella Brighenti, analisa a questão.

“A indicação geográfica (IG) é um instrumento que tem por objetivo proteger e valorizar um produto cujas características e reputação estão diretamente relacionados a sua região de origem. São Joaquim tem tradição no cultivo da macieira, principalmente devido às condições climáticas favoráveis à cultura. Contudo, apesar de já ser reconhecida internacionalmente pela produção de maçãs de qualidade diferenciada, São Joaquim ainda não conta com uma certificação atestando a origem dos frutos,” argumentam os autores.

Os pesquisadores chamam a atenção por uma situação que se arrasta há décadas. Em função do clima e altitude, a região de São Joaquim é conhecida por produzir maçãs de grande qualidade.

Mas como não se tem uma marca, parte dessa produção é comprada por empresas de outros pontos do País, que também produzem o fruto, e comercializada como se tivesse origem nesses locais. “Dentre os atributos favorecidos, podemos destacar o maior tamanho, melhor formato e coloração mais vermelha.

Processo semelhante está em andamento para a certificação do mel, do vinho e do queijo artesanal serrano. Geralmente a certificação leva anos para ser concluída. Assim, quanto antes iniciar os trabalhos com a maçã, melhor.

Infos: Mauro Maciel CL | Foto: Ana Carolina Almeida Macedo