Suzi Aguiar

Acerta desta vez, São Pedro

Ui!

Ele voltou! A gente nem teve tempo de sentir saudades.

Depois de um período onde o frio praticamente nem tinha dado as caras a ponto de nos deixar assustados com as temperaturas altas, agora há o alívio geral.

Sabemos que os culpados deste desajuste somos nós mesmos. Mas vai perguntar o que cada um realmente anda fazendo para que o caos não se instale de vez, que resposta concreta ninguém dá. O planeta está mudando, o tempo está mudando. Só a gente não toma vergonha de verdade.

Alguns culpam São Pedro. Acham que está meio confuso e já não consegue se lembrar das características de cada estação. Outros, que o bom velhinho está demente ou com Alzheimer. Há os que dizem que o coitado, trêmulo, aperta errado as teclas do seu iMac confundindo inverno com primavera ou outono com verão e, como resultado, as temperaturas ficam desajustadas. Será?

Neste último mês ele acertou. O friozão de verdade já andou batendo à nossa porta. Há quem diga que as temperaturas registradas não eram vistas fazia quase uma década. Agora as toucas, casacos e cachecóis são peças imprescindíveis. Lavados ou arejados nos sorriem no armário cada vez que o abrimos, prontos para desfilar por aí. Ao levantar, o ritual é sempre o mesmo. Vestimos camadas e mais camadas de agasalhos. Durante o dia, tal qual cebola, vamos descascando estas camadas e tornamos a vesti-las antes mesmo do final da tarde chegar.

A preocupação com o comércio que estava as moscas, agora dá lugar ao alívio de ver as belas vitrines conquistarem nossa vontade de comprar. E assim, ao final do dia, os funcionários precisam organizar as mercadorias que foram sendo largadas ao longo dos balcões e prateleiras. Cadê o tempinho para o ócio? Para dar uma fugidinha no sol?

Com o frio morando por aqui a gripe nesta temporada veio bem mais forte assustando os desatentos. E as farmácias, estas sim, continuam faturando.

No litoral o frio também chegou. O vento sul tem passado por aqui com mais frequência. E, com o frio e o vento, chegaram as tainhas. Os freezers nas casas dos pescadores estão cheinhos. Fala sério! Quem não gosta de saborear uma bela tainha assada? E se for recheada com paçoca de pinhão, então? É de trancar a casa e fechar as cortinas.

Com a vinda do frio intenso, as cidades que vivem do turismo de inverno estão recuperando as finanças. É bom ver que todos se prepararam para receber os visitantes.

Agora é esperar que as previsões de neve se confirmem desta vez e, assistir de camarote nossa vedete vestir de branco os campos, vegetação, telhados. Amo ver as cercas e fios de arame, quando o dia amanhece, pintados pelo maior artista do universo. Amo quando o sol nasce e seus raios refletem no branco, como se fosse uma benção dos céus.

Vai lá São Pedro, dá uma forcinha aí. Olha bem o teclado. Desta vez aperta a tecla NEVE, depois CONFIRMA.

Nasce um pai e uma mãe

Um acontecimento tão importante quanto a geração de uma vida, quando um óvulo e um espermatozoide se unem, é o nascimento de um pai e uma mãe. A confirmação da gravidez é um momento mágico na vida de um casal que se ama e que deseja construir e perpetuar juntos uma história de vida.

A princípio tudo é emoção. Um sorriso bobo congela a boca de orelha a orelha e a verdadeira felicidade se materializa.Mas junto com tudo isso, antes mesmo do corpo da mãe externalizar a gravidez, todo seu organismo passa por transformação, tanto no campo físico, quanto no emocional. São os seus hormônios se alinhando para o momento mais especial e uma mistura de sentimentos torna a mãe mais frágil e emotiva.

Não diferente da mãe, para o papai também surgem os medos: Nosso bebê virá perfeitinho? Terá saúde? Vamos dar conta de cuidar? Vamos saber educar? Vamos ser capazes de prover suas necessidades?A perfeição de Deus nos diz que sim, porque o amor de pais para com filhos é algo divino que conhecemos já na confirmação da gravidez. A essência das palavras maternidade e paternidade, como mágica, nos transforma em seres humanos muito fortes. É difícil descrever todo o empoderamento que nos acomete e nos torna tão especiais.

É uma condição que nos faz determinados, capazes de proteger o filho e superar todas as dificuldades que porventura surgirem.O período de gravidez serve para dar um tempo. Sim, um tempo para o bebê crescer, mas também para que os pais aprendam as nuances de sua nova história. Serve para que os futuros papais se informem sobre cuidados, para que pensem nos valores com os quais querem conduzir a educação dos seus tesouros.A doçura os inundará por inteiro no instante em que aconchegarem o recém-nascido nos braços e, só então, saberão o que é, verdadeiramente, o amor idealizado por Deus aos seus filhos. Será um marco em suas vidas, pois a partir daí, o papel mais importante que desempenharão será o de mãe e pai. Todos os outros serão coadjuvantes em suas trajetórias.

Como educadora, meu desejo é para que todos os pais sejam sábios em conduzir seus filhos pelos caminhos da vida. Que se empenhem em exemplos para fazê-los sentir que ?ser? é infinitamente mais importante que ?ter?. Que os ensinem a amar a natureza e as criaturas de Deus, a valorizar a família independente dos laços e das diferenças, pois será sempre ela a estender a mão e oferecer o ombro nas dificuldades. Que os deixem perceber que o sucesso é importante, desde que não o alcancemos em detrimento dos outros e que não seja usado para, de alguma forma, humilhar alguém.

Que os ajudem a florescer como criaturas espirituais livres de todo tipo de medo e inundados pelo sentimento do amor que cada um dos pequenos que chegar neste mundo traga uma luz cristalina, bela e cheinha de bençãos dos céus.