Assinado o contrato para implantação do gasoduto em Lages

Publicado por Anselmo Nascimento
PDF
Imprimir
Sex, 24 de Novembro de 2017 09:14
LagesO documento que autoriza a implantação da rede estruturante para fornecimento de gás natural de Lages foi assinado na noite desta quinta-feira (23)
durante a 19ª edição do Prêmio Empreendedor, do Jornal Correio Lageano. A vencedora da licitação para executar a instalação da tubulação foi a empresa Elevação, de Curitiba. Na tarde desta quinta, o prefeito Antonio Ceron recebeu em seu gabinete o governador do Estado, Raimundo Colombo; o presidente da SCGás, Cosme Polese; e os secretários de Planejamento e Obras, Claiton Bortoluzzi, e de Administração e Fazenda, Antonio Cesar Arruda, e todos conheceram o projeto do gasoduto. À noite, o ato foi testemunhado também pelo presidente da Agência Reguladora (Aresc), Reno Caramori.
 
A primeira etapa das obras deve começar em fevereiro de 2018, com as perfurações direcionais, diferentemente da conhecida abertura de valas para colocação do duto, causando menor impacto com o método não destrutivo e corrobora com o cuidado e organização da cidade.
 
O abastecimento iniciará no final de 2018. Até 2022, a rede estará sendo conectada à rede vinda de Rio do Sul. “Nesta época em que Lages está comemorando 251 anos esta é mais uma boa notícia. O gasoduto trará desenvolvimento e novas possibilidades de negócios a Lages. Está mais perto de se tornar realidade”, reitera Ceron.
 
O investimento para esta primeira etapa é de R$ 7 milhões em 12 quilômetros de rede. Somadas as duas etapas serão mais de 25 quilômetros de redes, no total de R$ 11,3 milhões. Inicialmente, as redes deverão receber aproximadamente 180 mil metros cúbicos de gás natural por mês. Em estimativa de mercado feita pela SCGás, são três indústrias, 167 estabelecimentos comerciais, 476 unidades residenciais e três postos de GNV que podem ser atendidos inicialmente após a conclusão do projeto.
 
O projeto estruturante de Lages é inspirado no modelo de atendimento de gás natural em algumas regiões de Portugal e em modelos implantados no Rio de Janeiro. De acordo com o plano plurianual de negócios da SCGás, os próximos municípios contemplados com o projeto devem ser Correia Pinto, Garuva e Sombrio. A SC Gás está presente em 62 cidades do Estado com rede de gás.
 
“Com o contrato assinado em Lages, a obra está consagrada, assegurada e vai acontecer”, adianta o presidente Cosme Polese. Em um trecho, o gás estará em cilindro de aço carbono com 11 quilos por centímetro quadrado de pressão e em paralelo segue uma tubulação em Polipropileno de Alta Densidade (PAD). A partir daí será feito em quatro quilos para atender ao mercado, ligando indústria, comércio e postos de GNV. O gás vem da Bolívia, conforme contrato até 2020.
 
“Há muitos anos estamos buscando este trabalho e desejamos interiorizar o que já acontece em várias outras cidades de Santa Catarina, e Lages, com a pujança que tem, ainda não possui, a não ser dois postos de combustíveis que por iniciativa própria transportam o produto”, esclarece Cosme Polese.
 
Restam 150 quilômetros
 
Atualmente, a implantação do gasoduto está em curso em Rio do Sul e iniciou no litoral do Estado. Seguirá para Trombudo Central, Pouso Redondo, Otacílio Costa, Palmeira, Correia Pinto e Lages. Os projetos executivos estão prontos e o processo de licitação em execução. De Rio do Sul a Trombudo já está licitado, com pendência da aprovação do projeto pelo Conselho de Administração.
 
O gasoduto continuará pela BR-470 rumo ao Oeste. Para chegar até Lages ainda falta a instalação de cerca de 150 quilômetros de rede, o que despende volume significativo de recursos da SCGás, portanto, o gás pressurizado será transportado em cilindros por caminhões, com injeção dentro da rede, além das conexões.
 
“Enquanto isto, o gasoduto é construído e quando chegar a Lages a cidade já estará operando normalmente com produto trazido de caminhão. Para instalação são necessárias licenças municipais, pois exige controle, segurança e cuidado”, pontua Cosme Polese.
 
O valor a ser pago diante da tarifa do gás é calculado de acordo com a medição. O controle do preço é feito pela Agência Reguladora. A SCGás lembra que o custo para compressão, transporte e colocação do gás na rede será diluído com todos os usuários do produto em Santa Catarina, colaborando com o subsídio para a chegada do gás em Lages, por enquanto pelas rodovias. A diferença será bancada pela SCGás e a tabela tarifária, fixada pela Agência Reguladora, pode ser acessada no site da SCGás.
 
O Município
 
A Prefeitura irá acompanhar os trabalhos. “Iremos verificar como estas obras irão acontecer, pois passarão pelas nossas principais avenidas e haverá interferência no trânsito e no dia a dia da população. Não haverá grandes impactos na pavimentação e nas redes subterrâneas de energia, esgoto e drenagem, pois será um método inovador de implantação. Será uma demanda suprida e irá gerar condições de atração de empresas devido à alternativa competitiva de combustível”, reitera Claiton Bortoluzzi.   
 
Economia nítida
 
O gás natural é diferente do GLP (gás de cozinha) por ser mais barato e de impacto economicamente positivo aos consumidores. É extraído no campo de produção e transportado por gasoduto, ao passo em que o GLP é por cilindro de refinaria, como acontece com gasolina, diesel e nafta, a partir do petróleo.
 
Fundamentalmente, o gás natural é uma energia limpa e ambientalmente mais importante e mais barata, permitindo atingir constância de temperatura. A economia é superior a 50%.
 
Info e Foto: Pablo Gomes
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

2011 Rodrigo Produções Internet Design - Tecnologia Progressiva para a Internet