Seminário Técnico para Controle da Grapholita molesta

Publicado por Anselmo Nascimento
PDF
Imprimir
Qua, 30 de Maio de 2018 17:40
Santa Catarina e Rio Grande do Sul -  No dia 6 de junho, o setor produtivo da maçã realiza uma verdadeira imersão na situação atual da mariposa oriental (Grapholita molesta), uma das principais
pragas da cultura da macieira. O evento acontece na Casa do Povo, em Vacaria (RS).
 
O inseto tem sido responsável por perdas que podem chegar até 5% da produção anual de maçãs. A Epagri é parceira da Embrapa Uva e Vinho em pesquisas que buscam soluções para a situação e também na organização do evento.
 
Segundo Adalécio Kovaleski, pesquisador da Embrapa Uva e Vinho e um dos organizadores do evento, as características bioecológicas desse inseto são ainda um desafio para técnicos e produtores. Ele comenta que os danos podem ocorrer tanto nos ponteiros das plantas, sendo prejudicial em viveiros de mudas e pomares em formação, como também ao longo de todo o ciclo nos frutos, desde o início do desenvolvimento até a colheita. “Depois que a lagarta penetra no fruto, não tem mais o que fazer, fica impróprio para a comercialização”, pondera. Kovaleski também alerta para o risco do inseto atrapalhar as exportações, já que pode ser detectado durante as inspeções, visando o mercado internacional.
 
Neste cenário, há vários anos, a Embrapa e a Epagri, em parceria com outras instituições têm pesquisado soluções sustentáveis, como o uso de feromônios sexuais. Como resultado, já estão sendo utilizadas armadilhas de monitoramento e também liberadores com feromônios, para causar a interrupção do acasalamento, popularmente conhecida 'confusão sexual', evitando o encontro do macho e da fêmea.
 
“Com a utilização dos feromônios conseguimos reduzir a população da mariposa, os resíduos nos frutos e os riscos de contaminação ao ambiente, além de favorecermos o desenvolvimento de inimigos naturais. É uma tecnologia que dá certo e é ambientalmente segura, mas que precisa ser melhor estudada para as condições do Brasil”, destaca Kovaleski.
 
Para Cristiano João Arioli, pesquisador da Epagri e também um dos coordenadores do evento, o uso dos feromônio no Brasil ainda é incipiente se comparado a países como Argentina, Chile, Itália e Estados Unidos, nos quais a tecnologia é utilizada com sucesso. “Ainda enfrentamos uma grande dificuldade em impedir o encontro de machos e fêmeas em situações de altos níveis populacionais da praga, fato esse comumente encontrado nos pomares do Brasil, com os produtos disponíveis para a cultura”, avalia. Arioli pontua que a eficiência dos feromônios depende de inúmeros fatores que exigem grande conhecimento e acompanhamento dos responsáveis técnicos e fruticultores, como por exemplo o momento correto de aplicar e a forma de aplicação, dentre outros.
 
Durante o Seminário, os participantes irão conhecer a realidade da praga nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, os resultados das pesquisas com feromônios desenvolvidas para o seu controle, bem como uma apresentação dos principais produtos disponíveis no mercado. Segundo os organizadores, a proposta é que ao final do evento seja definido um plano de controle a ser adotado por todo o setor produtivo nas próximas safras.
 
O evento é promovido pela Embrapa Uva e Vinho e pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri), com o apoio da Associação Gaúcha dos Produtores de Maçã (Agapomi) e da Associação Brasileira de Produtores de Maçã (ABPM). As inscrições devem ser feitas antecipadamente no endereço: https://bit.ly/2KqHMUJ, ao custo de R$30,00 para estudantes e de R$60,00 para profissionais e público em geral. As vagas são limitadas.
 
 
Serviço:
Seminário Técnico sobre Feromônios Sexuais para Controle da Grapholita molesta em Macieira
Data: 06 de junho de 2018
Local: Casa do Povo, Rua Borges de Medeiros, 1987 -Vacaria, RS
Inscrições: R$30,00 para estudantes e R$60,00 para profissionais e público em geral. Para fazer sua inscrição acesse: https://bit.ly/2KqHMUJ
Informações adicionais: uva-e-vinho.eventos@embrapa.br
Informações e entrevistas em SC: Cristiano João Arioli, pesquisador da Estação Experimental da Epagri em São Joaquim, pelo fone (49) 3233-8419.
 
Programa:
8h00- Inscrições
8h30- Abertura
8h45 - Técnica da interrupção do acasalamento através do emprego de feromônios sexuais – referencial teórico (Josué Santana/ UFRGS)
9h45 - Intervalo
10h - Situação atual do manejo de Grapholita molesta em macieira e dificuldades de controle (ABPM e Agapomi)
10h15 - Resultados de Pesquisa com o uso de formulações de feromônios sexuais para o manejo deGrapholita molesta em SC (Cristiano João Arioli/ Epagri)
11h - Resultados de Pesquisa com o uso de formulações de feromônios sexuais para o manejo de Grapholita molesta no RS (Adalécio Kovaleski/ Embrapa e Maria Carolina B.Moraes/ Embrapa)
11h45 – Debate
12h15 - Intervalo para almoço
13h30 - Ajar: Armadilha para o monitoramento de fêmeas de Grapholita molesta em áreas submetidas àtécnica de interrupção do acasalamento (Aline Costa Padilha/UFPel)
14h - Monitoramento de grandes lagartas em pomares de macieira em áreas submetidas à técnica da interrupção do acasalamento (Régis S. Silva/ Embrapa)
15h – Debate
15h15 - Posicionamento e recomendação da Isca Tecnologias para formulações Splat (Isca Tecnologias)
15h45 - Posicionamento e recomendação da Basf para o uso do Cetro (Virlei Abrassom/ Basf)
16h15 - Posicionamento e recomendação da Biocontrole para o Biolita e Isomate (AriGitz/ Biocontrole)
16h40 – Debate
17h15 - Encerramento
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

2011 Rodrigo Produções Internet Design - Tecnologia Progressiva para a Internet