Serra Catarinense passa a ser opção no verão

Serra Catarinense – Urubici, Lages e Urupema foram as cidades serranas mais visitadas no inverno deste ano. É o que aponta a pesquisa “Fecomércio de Turismo – Inverno na Serra Catarinense 2019”. A alta temporada nos meses de frio vem se consolidando na região, que a cada ano aprimora a oferta de serviços turísticos, aliando o clima e as belezas naturais à hospitalidade e à boa gastronomia para atrair visitantes.

Foram justamente os atrativos da Serra Catarinense que fizeram o casal Cláudia Moreira, 51 anos, e João Moreira, 52 anos, viajar mais de 670 quilômetros entre a cidade onde moram (Rio Grande – RS) e Lages. De férias, aproveitaram para repetir o passeio feito em 2018. No ano passado, por causa da chuva, o passeio não foi como esperavam, por isso, decidiram voltar agora na expectativa de aproveitar melhor.

“Cada quilômetro percorrido valeu a pena porque a Serra Catarinense é linda. Estamos de férias e aqui [Pousada do Sesc] é o lugar perfeito para relaxar”, comenta Cláudia. “Estamos adorando conhecer a Serra e, ao mesmo tempo, curtindo o ambiente tranquilo do Sesc para descansar”, complementa João.

Elisa Lima, 34 anos, e o marido Gustavo Schneider, 35 anos, também aproveitaram o tempo livre para conhecer a Serra. Há alguns anos são clientes do Hotel Sesc Cacupé em Florianópolis, onde moram, e agora decidiram conhecer a Pousada do Sesc. Por isso, vieram para Lages pela primeira vez. “Aqui é um lugar onde as crianças podem ter contato com os animais e a natureza. Por isso, quisemos vir conhecer”, conta Elisa, que trouxe os filhos Aime, 4 anos, e Artur, 2 anos, para passear.

A temporada de inverno já acabou, mas o movimento turístico na região não dá indícios de que diminuirá. De acordo com o coordenador de unidade do Sesc em Lages, Fernando Machado Pereira, a Pousada do Sesc não tem mais vagas para finais de semana até dezembro. Além disso, já não há vagas para hospedagem no Natal e no Ano Novo desde setembro.

“O catarinense está buscando novas alternativas para as férias. O que a gente tem sentido nos últimos anos é que o pessoal que mora no litoral está buscando outras possibilidades, ao invés de permanecer na praia na alta temporada de verão”, analisa.