Eu voto sim

Por Suzi Aguiar

Tenho assistido a alguns programas do horário eleitoral gratuito de Governador Celso Ramos, onde moro, e também de Floripa. E, claro, daqui da minha querida São Joaquim onde, ainda hoje, mesmo tendo morado pelo Brasil afora há 35 anos, volto também para votar. Além dos programas de rádio e TV, ouvi o debate, li programas de governo pela internet e fui abordada em alguns boca-a-boca de candidatos.

Gente, estou muito feliz!

Todos prometem resolver as nossas vidas quanto à saúde, segurança e educação. Não importa quem vencer, todos têm soluções interessantes para os nossos problemas. Difícil mesmo vai ser decidir em quem votar! E aí é necessário analisar muito mais do que as promessas.

Olhar para o passado de cada um é importante. O que fez até aqui? Analisar como os candidatos administram suas vidas pessoais, como cuidam de suas casas pode ser um bom começo. Aí você pode se perguntar: o que isto tem a ver com o cargo pleiteado? Bom, nossa cidade é turística e precisa ter ruas limpas e iluminadas, praças bem cuidadas. Se o candidato cuida muito bem de seu quadrado, terá mais probabilidade de agir assim com a cidade. Se seu jardim é mal cuidado, se a luz da varanda esta queimada e a casa com pintura muito ruim, são indícios de que ele provavelmente não deve ter muita preocupação com a estética da cidade.

Olhar para o seu trabalho no cotidiano. Como tem administrado a sua carreira? Como tem se saído em sua profissão? Outro fator importante pode ser o seu engajamento com as campanhas da cidade. De que instituições participa? Como ajuda as pessoas? Como as trata no dia a dia?

A gente sabe que neste período todos se mostram bonzinhos. A gente sabe que as promessas, na maioria das vezes, não são cumpridas. É comum, ainda, a troca de voto por pequenos benefícios ou, pior, em troca de empregos, fator que é agravado porque em detrimento disto, deixam de contratar pessoas com reais capacidades para tais vagas.

A boa notícia é que, assim como a maioria dos candidatos que fazem promessas vãs, a gente também pode fazer. Então vamos lá: podemos prometer votos para quem quisermos, mas votarmos para aqueles que acreditarmos ter mais competência para os cargos pleiteados.

Eu voto sim para esta ideia.

E você?

Publicado em 10 de novembro de 2020.